terça-feira, 22 de novembro de 2011

Poesia.

     




Palavras.

Palavras! Palavras! Palavras!
Há tanto tempo escondidas,
agora as garimpo, ávido,
nos veios das esquecidas!

Algumas incompreensíveis,
junto a ânsia de reescrevê-las,
mas sei que as reescrevendo,
aos poucos vou reaprendê-las!

Como foi sábio esse tempo,
baú de palavras guardadas,
agora, passando depressa,
traz à luz as relembradas!

Oh Indesmentível sentimento
jorrando palavras escondidas,
que, mesmo sem deixar claro,
traduzem esperanças contidas!...

Delmar Fontoura

Um comentário:

  1. Márcia Barcellos da Cunha27 de novembro de 2011 12:14

    Delmar Fontoura,
    Bela maneira de transmitir o que vai dentro da alma. Muito bonito seu poema!Grande abraço. Márcia

    ResponderExcluir