terça-feira, 27 de dezembro de 2011

A Perfeição?!...


O Ramo Biológico da Antropologia Social estuda o indivíduo enquanto evolui e interage no tempo e espaço – seu universo – limitados por sua compreensão. Mas ocorre que essas dimensões são infinitas, razão do mistério e dos conflitos do homem com a Natureza e consigo mesmo. Isso é tão real que está acima ou além do que afirmam os ramos do pensamento filosófico... ...Mas para o “bem social” precisamos avançar nessa compreensão.

Em princípio as sociedades estabelecem limites entre o bem e o mal imanentes do caráter, muitas vezes extrapolando a ponto de limitar os imanentes da conceituação maniqueísta, admitindo imperfeição no comportamento do “ser humano”, quando deveriam “regular a perfeição”, que rejeitam por não a compreende-la... ...Não fosse assim como aceitar as ações e reações da evolução do “todo” se não admitirmos a de uma “parte”, que somos nós interagindo nesse todo? 

A lei da Natureza Universal é que regula o equilíbrio entre as “ações e reações” e a “utopia e o pragmatismo” do ser humano.  

O saber, a bondade, a benevolência, a verdade e a paz assim como o egocentrismo, a soberba a onipotência, a mentira e a guerra são apenas apelidos consuetudinários dados às ações e reações do homem, que, na natureza, é partícula infinitesimal dessa perfeição não o contrário como é induzido a acreditar, pois ele não é o centro do universo.

Mas essa compreensão baseia-se em dois fundamentos: a capacidade dedutiva e a mnemônica, que são complementares entre si e congênitas. Os privilegiados ou não pela Natureza, que as tiverem ou não, correrão juntos ou a frente do tempo e do restante e divididem-se em:

a) - Os de percepção completa, que tendem a sublimar-se pela compreensão geral que têm, exemplo:Leonardo da Vinci;

b) - Os de percepção incompleta, são aqueles que desenvolvem somente parte de suas capacidades dedutivas e mnemônicas, exemplo da área: da matemática, da física, da música, da pintura, da Medicina;

c) – Os não privilegiados, que variam da “imbecilidade” (congênita) a “medianidade de percepção”, gravitando dependentes dos dois outros grupos...  

Mas a maior virtude do ser humano não é ser mais ou menos: inteligente, rico, poderoso, reconhecido, mas sim ter essa consciência e saber identificar quem é: suas potencialidades, seus limites e suas fraquezas... ...de reconhecer os limites de suas percepções; poder avaliar a “realidade” que o rodeia. Fora isso é o desconhecimento que se sobrepõe, motivo da desarmonia na interação do ser humano com a Natureza.

Muitos entendem isso, outros, no entanto, poderiam dizer ou pensar: como? O que esse cara ta falando, ou melhor, digitando?... Esse cara é maluco; deve estar voltando, de “férias”, da Pinel; ta “viajando na maionese”...

Não lhes contestaria, mesmo que pudesse, porque estamos, todos, neste contexto e aceito o que são assim como o que sou, pois não posso limitar-lhes, nem a mim, nesse tempo e nesse espaço que são infinitos...

Esse axioma me leva à indagação: que fazem aqueles que deveriam ter essa compreensão?...  ...Devemos, no mínimo, pensar sobre isso!

Delmar Fontoura.


3 comentários:

  1. Márcia Barcellos da Cunha27 de dezembro de 2011 14:53

    O ser humano, no atual estágio evolutivo em que se encontra, ainda apresenta grande dificuldade em admitir suas limitações,fraquezas...Há muito que caminhar nesse sentido.Abraço. Márcia

    ResponderExcluir
  2. Márcia Barcellos da Cunha28 de dezembro de 2011 03:50

    Os textos que vc posta no blog são um belo convite ao estudo e reflexão. Parabéns! Abraço. Márcia

    ResponderExcluir
  3. Márcia Barcellos da Cunha28 de dezembro de 2011 04:02

    O texto nos proporciona grande oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o ser humano, tão complexo. O quarto parágrafo aborda com exatidão questões ainda difíceis para o ser humano. É aí que escorregamos...É uma luta interior muito grande até atingir esse nível de entendimento, não? Grande abraço. Márcia

    ResponderExcluir